Viarco Express VIARCO EXPRESS
inícioprojectoColecçãoviarcomaus hábitosmuseu da presidÍnciaexposiÁ„o

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 



     

Miguel Vieira Margarida Rebelo Pinto António Charrua Fernando Conduto Maria Velez Jorge Abade Fabrizio Matos José Emídio Luisa Gonçalves Carlos dos Reis.
   
 

  O segundo lápis da série VIARCO Express inicia o seu percurso perto da fábrica onde foi produzido. O atelier de Miguel Vieira situa-se em São João da Madeira, e a entrega do lápis a este autor incontornável da moda portuguesa obedeceu à intenção de construir um mapa heterogéneo e multidisciplinar do desenho. Ainda neste espírito, o designer escolheu o nome da escritora Margarida Rebelo Pinto, com a qual se cruza muitas vezes na diversidade dos eventos que em Portugal giram em torno da moda. O lápis vai ficar nas mãos da escritora algum tempo, que hesita em apontar alguém que dê seguimento ao projecto. Num impasse, a produção decide intervir, naquela que será a primeira violação das regras do jogo por parte dos seus promotores. O testemunho é resgatado desta dificuldade e entregue a António Charrua, que pertence ao círculo de amizades de um dos sócios dos Maus Hábitos.

Neste momento inicia-se um novo percurso, que também será curto e definirá um conjunto restrito de
pessoas, todas associadas à Cooperativa de Gravadores Portuguesa e ao movimento que lhe esteve associado na segunda metade da década de 50. António Charrua, Fernando Conduto e Maria Velez coincidem também na exposição «50 Artistas Independentes» (SNBA, 1959) e fazem parte da Terceira Geração de José-Augusto França, Júlio Pomar, Fernando Lanhas, Júlio Resende e Nikias Skapinakis.

Nas mãos de Maria Velez, nos momentos que se seguiram à morte de Charrua em Agosto de 2008, o lápis vê-se novamente num longo impasse, que exige uma segunda interferência. Decididos a quebrar as regras, a escolha do nome seguinte é discutida entre a Viarco e os Maus Hábitos e recai em Jorge Abade, um artista que participou em colectivas nos Maus Hábitos e em São João da Madeira (ambas em 2002). Abade entrega o lápis a Fabrizio Matos, um artista representado pela mesma galeria, a MCO, que pertence à mesma geração, saída das Belas Artes do Porto no final dos anos 90.

Radicalmente heteróclito, este lápis vai ser sujeito a uma última intervenção quando a Viarco o entrega ao
pintor José Emídio, fazendo-o ingressar no círculo de influências da Cooperativa Árvore onde, depois de
passar por Luísa Gonçalves e Carlos Reis, terminará o seu percurso.

Quebrando todas as regras do jogo, este lápis acaba por produzir esboços de relações e cumplicidades entre criadores e artistas muito diferentes, mas a brevidade de cada apropriação inviabiliza qualquer leitura conclusiva. Ainda assim, entre a Cooperativa de Gravadores Portuguesa (Gravura) e a Árvore são evidenciados dois momentos e grupos de pessoas muito distintos, mas que se aproximam no âmbito de uma linguagem de intervenção política e história de combate cívico ao regime autoritário de Salazar e Marcelo Caetano. Ainda que os artistas que representam a cooperativa Árvore não pertençam à geração fundadora (Armando Alves, Pulido Valente, José Rodrigues e Ângelo de Sousa), são fiéis representantes de um momento fundamental da actividade artística na cidade do Porto.
 


 
 
  © Todos os direitos reservados
Contactos | Ficha técnica | Mapa do site